Buscar
  • walter tierno

Com público

Sou um tanto antiquado. Talvez. Nem sei dizer.

Fato que confesso é que nunca tive talento para me fazer notar na Internet. Principalmente em redes sociais. Não que não tente. Mas talvez não tente com o afinco que deveria. Desleixo e impaciência minhas, admito.

O que é ruim, ainda mais para uma carreira como a minha. Escritor e, agora, editor.

Tenho muito mais facilidade para interagir pessoalmente. Agora, devo acrescentar. Fui uma criança introvertida, adolescente tímido e jovem retraído. Melhorei com a maturidade, depois de muita luta contra uma insegurança desnecessária.

Hoje, recebo as pessoas com interesse sincero por suas histórias, vendo meu trabalho sem aquela modéstia boba e insensata.

Meu ambiente são os eventos, as feiras. É ali que fico à vontade.

Imaginem como fiquei durante a quarentena.

(E já quero aqui deixar bem claro que tenho plena consciência e empatia por quem realmente perdeu muito mais para a pandemia. Reclamo, sei, de barriga cheia.)

E imaginem minha alegria em ver que, pouco a pouco, retornamos a nós ver fora do ambiente virtual.

É ali no mundo real que sempre acreditei que a Sisko rugiria. Conquistando um leitor de cada vez, mesmo.

Desde o começo do ano, tenho exposto a Sisko num espaço na Benedito Calixto. Também já estivemos no evento da ONG Gatopoles e estamos procurando mais espaços.

Estamos na livraria Martins Fontes!

Tenho colecionado histórias maravilhosas, de pessoas especiais.

Tenho sentido um calor diferente. Humano.

E sabem o que mais? "Anjo na gaiola" tem chamado uma atenção sensacional na mesa. Ele faz um sucesso ao toque que chegou a me surpreender, por mais que eu acreditasse em seu potencial.

Estou muito feliz em voltar ao mundo.

Voltemos.


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Até onde sei, o termo macumba, além de nome de um instrumento musical (e da árvore de cuja madeira ele era produzido) é um termo PEJORATIVO para qualquer manifestação religiosa de origem africana. Ess

Talvez o que mais incomode em "não olhe para cima", que estreou na Netflix, não seja a tal qualidade do filme. Particularmente, gostei. Com uma mistura de riso nervoso e horror. O mesmo tipo de horro