Buscar
  • walter tierno

Minha retrospectiva 2016


Este foi um ano muito bizarro para a história do Brasil. Acredito que precisaremos de um distanciamento considerável para fazer avaliações minimamente isentas. Se é que conseguiremos. Hoje, a manipulação intensa da mídia e o contágio por interesses variados não permite.


Trabalhei menos do que gostaria e/ou deveria em 2016. Não tenho orgulho disso, também não tenho vergonha.

Participei de poucas feiras de livros com a Giz. A maioria teve vendas frustrantes, refletindo a crise brasileira. A Bienal, por exemplo, foi a menor que já vi e estava tomada por estandes de “ponta de estoque”. E também foi a que teve entrada mais cara. R$ 25,00 contra os R$ 12,00 da edição passada.

Temos ondas no mercado de livros. A do ano passado foi dos livros de colorir, sobre a qual tive a sorte de conseguir surfar. Este ano, foram os youtubers. Ondas vêm e vão e têm sua função econômica dentro das empresas/editoras.

Lancei meu terceiro livro e fiquei feliz com o resultado. É um projeto pelo qual tenho imenso carinho e foi minha estreia em uma grande editora (Verus).

Muitas mortes de famosos neste ano. E também muitas e muitas mortes de não-famosos. Massacres na França ganhando mais holofotes do que no Oriente Médio e África, mas assim caminha a humanidade, infelizmente.

Percebe-se, para quem quiser ver, um crescimento de movimentos retrógrados e uma escalada de ideais nefastos. No mundo inteiro, e sensivelmente aqui no Brasil. Os fascistas perderam a vergonha e têm a cara de pau de usar o jargão “é minha opinião” para justificar as barbaridades que falam e fazem. A classe média tem culpa considerável disso, no momento que deu braços a representantes desse pensamento em suas manifestações pelo impeachment, onde circularam livremente neo nazistas e amantes da ditadura militar. Mas quem sabe o quanto essa tal classe média, aquela que bateu panelas e vestiu a camisa da CBF, já não namora essas ideologias, intimamente? Donald Trump foi eleito presidente dos EUA e considero esse o ponto mais representativo do que estou dizendo.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Posições

Não é segredo minha opinião sobre Boslonaro e sua família. Nunca escondi meu desapontamento que vem desde que seu nome começou a crescer nas pesquisas eleitorais. E esse descontentamento não é com ele

Redes

Quem acompanha meus perfis nas redes sociais, em especial o Facebook, vai notar algo peculiar. Apaguei meus posts críticos, com exceção de cartuns e ilustrações, e tudo que publiquei antes de 2019. T

Ele mente as pessoas acreditam

Vou contar uma historinha pra vocês. Meu irmão estava em uma loja no centro de São Paulo, vendo armas de pressão. Dessas que atiram uma bolinha metálica. Na mesma loja, vendem armas de verdade. Enquan

  • facebook
  • insta
  • Branca Ícone LinkedIn